quarta-feira, agosto 26, 2009

A Noiva I


Por: Marcos Soares

Amigos, agora virou moda falar mal da Noiva. Até pouco tempo atrás ela era uma unanimidade. Ninguém gostava de atacá-la, a não ser aqueles que não gostavam do Noivo. De uns tempos para cá, até mesmo alguns que alegam ser amigos do Noivo, deram de procurar construir uma argumentação sofisticada, carregada de emoções e sentimentos não resolvidos e, acima de tudo, evidente de um analfabetismo bíblico, de uma ignorância dos pressupostos básicos da fé cristã. É a respeito deste tipo de gente que Paulo, o apóstolo, afirmou que “são mestres que não compreendem nem o que dizem nem os assuntos sobre os quais fazem ousadas asseverações” (1 Tm 1:7).

Não pretendo levantar uma bandeira em defesa da Noiva. Ela não precisa de defesa. Ninguém pode fazê-lo melhor do que seu Noivo Todo-Poderoso. Mas me permito posicionar a respeito deste festival de bobagens que vimos desfilar, cada dia com mais intensidade. Estamos vivendo uma onda de lançamento de livros, artigos, mensagens e conversas carregadas de um raciocínio falacioso. Por terem se sentido abusados teológica, financeira, emocional ou fisicamente por líderes mal intencionados ou mal preparados, que se acham deuses e passam a oprimir as pessoas através de uma postura de dominação, alguns cristãos resolvem que não querem mais brincar de igreja. Vão embora, nunca mais voltam. E então surgem os “defensores das vítimas indefesas” para apregoar que os coitadinhos não poderão mais ser curados pela igreja, que são irrecuperáveis, que a única esperança para eles é o divã do terapeuta.

A fragilidade deste raciocínio pode ser constatada com uma comparação simples. Será que aqueles que afirmam que nunca mais vão pisar numa igreja porque se decepcionaram com a atitude de um líder, pelo abuso ou desmando de um pastor ou por uma divisão que tenha presenciado também não vão mais ao médico, agora que se noticiou que existem médicos estupradores de pacientes? Será que não procuram mais um advogado, uma vez que se sabe que alguns utilizam da formação para servir aos interesses de bandidos e gangues? Será que não pedirão mais uma planta a um engenheiro, porque de vez em quando um edifício desaba por erro de cálculo ou pela utilização de material de construção de baixa qualidade? Tem cabimento? Porque tem médico falso ou sem vergonha você vai desacreditar na medicina? Porque tem engenheiro que não sabe fazer conta, você não vai acreditar na engenharia? Porque tem advogado bandido, você vai desprezar o direito? Faz sentido para você?

ENTÃO POR QUE COMEÇA A FAZER SENTIDO NA CABEÇA DE TANTA GENTE QUE POR CAUSA DE UMA MEIA DÚZIA DE PSEUDOPASTORES QUE A SI MESMOS SE APASCENTAM NÓS TEMOS O DIREITO DE ABANDONAR A IGREJA DE DEUS, COLUNA E BALUARTE DA VERDADE E ÚNICO PROJETO DE DEUS PARA O NOSSO TEMPO?

Precisamos parar de ouvir balela de quem não conhece nem sequer as doutrinas básicas da fé e que mete a assumir o papel de JOSÉ LUIZ DATENA da igreja. Não vejo nenhuma vantagem em dar espaço a denúncias vazias, que não ajudam em nada. Falar mal da Igreja passou a dar Ibope. É claro que vende livro. É claro que dá audiência. É claro que provoca emoções, especialmente naqueles que passaram por problemas na igreja. Mas para curar a doença, a melhor solução não é matar o doente. Aqueles que sabem em tantos detalhes quais são os problemas, devem apresentar as soluções. Se conhecem tão profundamente as mazelas, devem saber o que devemos fazer para nos livrarmos delas. O profeta de Deus denunciava o pecado, mas apontava o caminho. Se os atuais profetas não as têm as respostas, não são profetas. Que se calem, sob pena de ficarem debaixo da suspeita de estarem apenas querendo conquistar o coração daqueles que estão procurando uma boa desculpa para viver um cristianismo pós-moderno, individualista e egoísta, onde a dimensão coletiva não tem valor nenhum e o sentido de comunidade, de mutualidade, de corpo e de grupo é cada vez mais desprezado para dar espaço ao ego, à vontade de cada um.

Se me permitem, quero ser uma voz que vai na contramão dessa onda. Poderá soar desatualizado, radical, careta, retrógrado ou pueril. Ousar discordar de uma voz tão badalada como Philip Yancey, só para citar um dos mais famosos gurus da cruzada “Quem-Precisa-De-Uma-Igreja?”, não é grande vantagem. Felizmente, meu compromisso não é com as vendas de uma editora. É com minha convicção e com a minha Bíblia. Por enquanto elas não me abrem espaço sequer para questionar se a igreja é ou não é importante para a vida do cristão e para a transformação do mundo. Repilo qualquer insinuação ou tentativa de esvaziar a Igreja como Corpo de Cristo no mundo bem como suas manifestações visíveis, as igrejas locais, com uma das quais todo cristão sincero e verdadeiro precisa ter, não como uma opção, mas como um princípio bíblico inegociável, um vínculo formal.

Porque se a igreja local é descartável como andam dizendo e se os abusos cometidos em nome de Deus justificam o abandono e o desprezo de muitos por ela, sou forçado a concluir que o Novo Testamento é um amontoado de escritos inúteis, que não têm qualquer relevância para o nosso tempo. Começando em Atos dos Apóstolos, que se ocupa basicamente em descrever a formação de igrejas locais, desde Jerusalém até os confins do mundo conhecido daqueles dias, 80% do Novo Testamento se dedica a registrar ensinamentos relativos aos mais diferentes aspectos do seu dia-a-dia. Além disso, segue-se que o apóstolo Paulo foi um verdadeiro fanfarrão. Afinal de contas, ele passou a maior parte de sua vida fundando igrejas e escrevendo cartas a elas para ensinar como deveriam ser conduzidas. Para quê tudo isso, se hoje em dia o cristão tem o direito de “ser crente em casa” ou se passamos a achar normal que uma pessoa possa viver em comunhão com Deus sem estar em comunhão com o povo de Deus?

Não escrevo para receber aplausos. Não faço questão se vão gostar ou não. Não sou o dono da verdade, mas procuro conhecer a verdade. Enquanto tiver forças, vou continuar ensinando e mostrando uma das bases da vida cristã madura, que hoje se vê questionada por gente de dentro e de fora (antigamente era só pelos de fora): quem não quer compromisso com a igreja de Deus e, mais especificamente, com um corpo local que a represente, está fora do propósito de Deus.

Fonte: site irmaos.com

2 comentários:

Vivian Sbrussi disse...

)'(  OIII!
(__) 
>\< PASSEI POR AQUI!!!

"SE EXISTE UMA ARTE DO BEM FALAR , EXISTE UMA ARTE DO BEM OUVIR".

Ninguém é tão forte que nunca tenha chorado;
Ninguém é tão fraco que nunca tenha vencido;
Ninguém é tão insuficiente para nunca ser ajudado;
Ninguém é tão inválido que nunca tenha contribuído;
Ninguém é tão sábio que nunca tenha errado;
Ninguém é tão corajoso que nunca teve medo;
Ninguém é tão medroso que nunca teve coragem;
Ninguém é tão alguém que nunca precisou de alguém.

"O AMOR VERDADEIRO COMEÇA QUANDO NENHUMA RETRIBUIÇÃO
SE ESPERA".

(AUTOR DESCONHECIDO)
          ♥  ♥
            ♥
         ♥ ♥ ♥
           ♥ ♥
          ♥ ♥
       ♥ ♥
          ♥ ♥
        ♥
    ♥ ♥  ♥
    ♥ ♥
     ♥ ♥
     ♥ ♥  ♥
   ♥ ♥ღViViAn\\(^_^)// Sbrussi
       ♥
    ♥ ♥  ♥
    ♥ ♥
      ♥
    ♥
      ♥ BJOO

Meire disse...

Obrigado Vivian, que Deus continue nos abençoando com Sua Graça Inefável!
Passe mais vezes por aqui e nos ajude com sua opinião.
Valeu, abraços